Arquivo para maio, 2010

Rewrite…

Posted in Queixumes with tags , , , , , on maio 29, 2010 by Pandora Bezarius
“A razão pela qual quero gritar esses pensamentos insanos é porque não há provas de existência. Há um conflito entre dignidade e liberdade nesse futuro que descobri. A razão pela qual quero apagar estas estranhas imagens da minha mente é porque nelas posso ver minhas limitações, Na janela da minha auto-consciência excessiva está no calendário do ano passado sem datas anotadas. Apague e reescreva; Existe uma presença grande o suficiente para me fazer esquecer aqueles sonhos ridículos. Reescreva isso para um renascimento dramático, Até mesmo um senho sem sentido
é o suficiente para criá-lo. Dê-me seu corpo e alma, Me arrependo de me livrar de todos os meus sentimentos
Depois de perceber que eu não sou nada, eu choro! Um coração triste; Uma mentira…” (Asian Kung-fu Generation e Gotou Masafumi)

Um dia…

Posted in Queixumes on maio 27, 2010 by Pandora Bezarius

Fiquei meio enojada, meio enjoado com algumas coisas que li.

Eu cansei desses casais patéticos que se gostam e ficam com frescura; “ah vamos terminar por que .. eu sou fresco, mas eu ainda te amo, mas não podemos ficar juntos”. Eu simplesmente cansei dessa frescura toda! Espero não ter mais que ver, ler, escutar qualquer frescalhada do tipo de outros casais que não conseguem se entender, por que são INFANTIS DEMAIS para saber levar em frente os problemas, tanto os corriqueiros, quanto os de suma importância! Um dia, claro, vão perceber a estupidez e, certamente, irão pensar “Perdi tanto tempo”. Isso me enoja…  E eu cansei. Não quero mais saber de assuntos românticos, pelo menos não os reais! Ficarei com os platônicos e irreais, e estou me referindo aos mangás, poemas, poesias!

I’ve been crying thins morning

Posted in Queixumes with tags , , on maio 22, 2010 by Pandora Bezarius

Eu nem sei o que falar,
Sobre o que escrever,
Só sei, talvez, pensar
Que desisti de você!

P.S.: é apenas um conflito com o Migo e o tigo irreal!

I Never Give Up anyway…

Posted in Queixumes on maio 19, 2010 by Pandora Bezarius

Por mais que eu queira, eu não consigo desistir. Não consigo deixar de lado uma falsa ilusão e eu não faço idéia do por quÊ! … Eu queria uma chance de mostrar meus sentimentos, de falar ee confirmar mais uma vez isso que eu venho sentindo.Tenho medo e receio da rejeição, mais do que já me é imposta e a única coisa que eu posso fazer é simplesmente aceitar os fatos e a realidade; não posso dizer nada… Afinal, já que foi esclarecido esse assunto um tempo atrás, pra quê voltar no mesmo tema? (nem que eu queria) Outrora disseram-me “O passado é um rio de água corrente”. Isso é mais que verdade, de quando vez meu passo vem atormentar meus pensamentos.E eu descobri o medo que tenho que descubras meu lado ruim!…

… Nothing …

Posted in Versus Pandora's on maio 18, 2010 by Pandora Bezarius

Sem inspirações …

Sem palavras,

Sem ações…

Perdido na estrada!…

Do Ir e vir,

De andar e cair.

Ainda que eu pare,

Sem mudar os ares.

Ainda que eu respire,

Sem sentir o palpite,

Que meu peito grita.

Nos versos a escrita

De trás pra frente,

Na bela agonia

Trincada nos dentes.

Nos míseros dias.

……………………….

Qual o sabor dessa melodia?

(Jean Simon)

P.S.: Eu estive crente dos fatos irreais, estive sóbrio diante da inebries. Mas encontro-me farto de momentos imorais, E, quem sabe, da própria sensatez!

Eu Rogo pela minha paz!…

Posted in Queixumes on maio 12, 2010 by Pandora Bezarius

Já não sei o que é sossego Ou o que é privacidade, Já cansei desse escorrego, SÓ queria abolir este maldade… Não existe mais a honra Ou mesmo A vergonha.. O que acontece com a vida, QUe nada me faz portegida? Eu observo palavras, Eu choro pela insinuações. já são várias as desgraças, Que mau vale atuação? Para sair por aí, Esbanjando um sorriso. fingindo uma leve doçura ali, Brotando um momento esquecido… Ainda existe sanidade? Aquela certeza do certo? Onde não há ambiguidade, E o errado nunca por perto. Eu já não conheço sossego… – Conceda-me, senhor, este apêlo!…

Mein Herz erwartet dich !…

Posted in Queixumes with tags on maio 4, 2010 by Pandora Bezarius

Ai, que esta vida cansa… que sentir me nausea…Ai, ai… Já escrivi tantas coisas de ti… Desde que terminamos eu voltei a escrever!… Mas a maioria é sobre ti! Verdade… a que ainda reside em meus pensamentos. Há dias tens sido dono deles, na maior parte. Quando eu escrevo essas frase e texto direcionados à você, sinto-me angustiada… Sabes porquê? Por quê eu sei que não terá importância alguma, é como se eu escrevesse uma cartinha para o papai Noel e ficasse esperando respostas em vão! Mas hoje te escrevo, devido às carta, de como lembrei do nosso tempo. Já faz tanto tempo desde então, não é? O pior de tudo isso?… Não tem resultado! Eu sempre fiz muito drama com coisas que poderiam ser superadas. Deve ser por isso que você não dá muita importância para o que eu escrevo. Sou, diversas vezes, exagerada!
Às vezes eu tenho vontade de gritar contigo, só para fazer com que você entenda o que eu quero dizer, o que eu sinto. Queria que você fosse menos frio comigo. Até parece que eu nunca fui nada para você. Você deve ler os textos, tudo o que eu escrevo, lê por lê e logo em seguida apaga, para que não haja excessos tributários de aborrecimentos. Estou certa não é? Devo estar. Desde então nunca houve respostas para as coisas que eu dizia para o seu EU!… Como foi que eu me perdi neste caminho? Como foi que eu desviei a entrada e me perdi na trilha mais solitária dessa vida? Acho que to fazendo as perguntas erradas. “Em que momento eu me perdi?” “Em que momento eu perdi o ‘nós’?”, será que, de fato, nunca houve o “nós”? Você sempre pertenceu à outra, desde o início? Então eu devo acreditar que fui uma tola por deixar ser guiada por essa trilha.
Há tantos quês e porquês que estão no escuro. Há, ainda, tantas coisas para serem resolvidadas, não é? Ora, é claro que eu gostaria de resolver tudo logo de uma vez. E quando, finalmente, estiver resolvida e poderei finalmente te esquecer ou então seremos eu e você novamente. Porém, esta ultima alternativa deve estar fora de questão, não estou certa? Sempre as dúvidas imperam nesta maldita hora. O medo perseguidar do “para sempre”. Não precisa ser perfeito, isso não existe… Ou eu te esqueço ou me entrego de vez aos teus abraços (Caso não for repelir meus sentimentos, como sempre o faz), mas tenho duvida quanto ao “nós”… Ai, que tormento!…

P.S.: O passado é passado agora! Isso é um fragmento de um sentimento… Não mais concreto!