Arquivo para setembro, 2010

My devil makes me dream like no other mortal dreams With a blank eye corner …

Posted in Queixumes with tags , , , , , on setembro 28, 2010 by Pandora Bezarius

Minha mente, minha vida se encontra exatamente como um quarto desorganizado. Cheio de objetos espalhados, exatamente como meu quarto. Empoeirado, uma bagunça! Não vejo solução para muitas coisas, como se houvesse um bloqueio na minha vida, como se.. Bem, eu não sei. Meu peito formiga sensações esquisitas. Só sinto um vazio, é bem isso o que sinto, o que vejo e o que toco. Simples vazio, um buraco negro. Sem mais delongas.

I’ve had enough, Sick and Tired…

Posted in Versus Pandora's with tags , , , , , , , on setembro 25, 2010 by Pandora Bezarius
Do meu mal eu não posso negar,
Das palavras que teimo em dizer,
Nas vestes se gruda ao gritar,
Mesmo que tente me conter.
Te vejo passar, assim.
Permito não aparecer, enfim…
Do teu rosto, o mistério,
Das palavras que guardas,
E o meu ego grita hitérico,
Que fales e exponhas as marcas.
Ainda não permite Falar,
E não mais vou tentar.
Veja que eu procuro ir,
Procuro falar, e talvez rir.
Faço do meu corpo uma casca,
Dura, grossa sem mostrar uma lasca.
Eu ainda sou neblina,
Ainda me mostro a mais fria…
Meus dedos se forçam a se abrir,
Minhas mãos, ainda quentes,
Mas eu me esgoto por emitir,
As imagens assim contentes.
Sinto por não chorar,
Sinto pelo que ainda irei falar!…

(Pandora Bezarious)

It’s fine…

Posted in Sem categoria with tags , , , , on setembro 10, 2010 by Pandora Bezarius

…I think the storms over now…

Must I hide?…

Posted in Versus Pandora's on setembro 7, 2010 by Pandora Bezarius

Ai quem me dera tocar os belos dos lábios,
Sentir a gotícula de suor do corpo teu,
Quem dera penetrar no insano dos olhos ..
Quem me dera fazer minha a tua verdade e
Dos canticos de ventura ds sonhos meus.
Que dos meus lábios pudesse escutar minhas palavras,
E acreditar no que digo sem mirabolagem,
Que pudesses sentir minha vontade.
Queria que teus olhos olhassem os meus,
Que neles só pudesse olhar,
Lembrar que eles são seus…
E ir logo dormir para com eles sonhar!
Quem dera que tuas mãos poisassem nas minhas,
E dela fizesse teu seguro…
somente delas achasses que tinha,
o mundo inteiro num manto escuro…
Oh… Ainda penso em tua face,
Dum claro tom a ludibriar,
Ai quem me dera, que meus lábios tu beijasse
Ao dar-me um belo sorriso a me torturar.

Num suspiro tropego eu digo:
– Eu sou, que me faça tua…
Que hoje delíro em faces nuas,
Banhada em pranto em tudo que minto,

Com o doce do som das árvores a farfalhar